quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Algum problema?


Não , morena, não. Negra. Afro-descendente. É assim que me autointitulo. É a cor da minha pele, embora miscigenada, flui em mim um sangue de raízes de um tráfico negreiro oriundo dos porões da história da colonização brasileira. O mesmo sangue de quem vive em um país de discriminação camuflada e de diferenças sociais avassaladoras. Dúvida ? Olhe ao redor.

Faculdades públicas preenchidas com a maioria rica e privilegiada, o restante da classe média se desdobra para pagar um mensalidade na faculdade particular cujo ensino não é o de melhor qualidade. Não é toa que faculdade privada por que o ensino é uma mer...

Agora o governo inventou uma muleta chamada política de ação afirmativa. Ou seja , se você é uma pessoa excluída socialmente, fala com Lula que ele te dá uma bolsa. O governo é tão bonzinho, tem bolsa- família, bolsa -escola, inclusão digital, Prouni etc. Tudo em prol da melhor qualidade de vida e igualdade de direitos do povo brasileiro, caro companheiro. Enquanto isso, o ensino continua com evasão escolar, a saúde precária e a violência ameaçadora.

Morena, não. NEGRA. Negra para o censo e para a muleta do Lula. Porque para eles, eu sou uma pessoa socialmente incapacitada de estudar em uma federal de prestígio por mérito e tenho que recorrer a cotas raciais. Porque para a UNB eu tenho que comprovar que sou negra através de uma foto. Pode ser que serei selecionada pela foto e pode ser que estarei apta a concorrer a vaga no quesito cotas públicas. É um tráfico negreiro digital. Esse sim, esse nãol esse sim esse não. Talvez o que tiver o sorriso mais branco seja escolhido.

Agora será que o Lula resolve o meu problema? Sou negra e moralmente capaz da ação dos meus atos até aonde Constituição vigente me permite. Me recuso a aderir a política afirmativa por que sou capaz de estudar em um ensino de qualidade excelente, mas pelo fato de ser afrodescente a sociedade se recusar a me dar espaço de crescimento. Talvez porque eu faça parte da minoria e a maioria privilegiada se sinta incomodada. Não há muitos médicos, advogados e engenheiros negros. A maioria sufoca a possibilidade de existência em uma possível inversão de valores desta pirâmide. Enquanto isso , negro continuará sendo visto como pagodeiro, cantor de hip-hop ou mão-de-obra de sem qualificação.

Então enquanto a sociedade camuflada não me censura por falar mal do que considero errado . Quero dizer que não quero fazer parte de um número de negros de cota racial. Quero ser tratada com respeito pelo meu cárater e não por ser uma vítima do sistema precário educacional. Sei que a igualdade de oportunidades e de direitos não acontecerá de um dia para o outro ou talvez nunca aconteça, mas cabe mudarmos a nossa visão de mundo enquanto cidadãos.
************************************************************************************
Eis 0 desabafo de quem passa por discrimações racial e social constantemente. Um dia desses , uma pessoa se recusou a apertar a minha mão depois de comprimentar as pessoas ao meu redor. Ao sair ela se despediu em Alemão e eu respondi. Ela indignada saiu sem dizer uma palavra. Algum problema? Porque sou negra não posso falar mais de um idioma? Falo inglês e Francês e estou aprendendo Alemão.Não precisei de bolsa para isso. Preciso apenas de respeito. Morena, não. Negra. Pronto falei.

4 comentários:

Chris disse...

acho um tremendo horror as pessoas que descriminam por causa da cor, origem de uma pessoa.

Lílian disse...

quem discrimina não tem personalidade ;

Erica Ferro disse...

Ai, que me ferve o sangue essas ceninhas de preconceito.
Que povo estúpido e ignorante! Se dizem tão superiores, mas são baixos, pobres e obscuros são seus pensamentos. Pensam que vão em frente com essas diferenciações que fazem das pessoas.

Se eu pudesse, de tanto nojo e repulsa que tenho de discriminação, dava uma cuspida bem na cara dessa besta que fez isso contigo, sério!
Idiota, anta...!
Ai, me revoltei agora, husahsauhas.

Beijo, Mari.
Sou mais você! ♥
(Oh meu Deus! Fiz propaganda de alguma emissora agora? hasuashus)

Natália disse...

Quem nos discrimina é porque tem inveja da nossa cor de chocolate. beijos